• Thailan Jaros

Aumentos do preço da cesta básica preocupam economistas em Ponta Grossa

Conforme o estudo, o aumento foi de 1,63% no mês passado.

Foto: Agência Brasil

Pelo nono mês seguido, a Cesta Básica registrou aumento em fevereiro deste ano, segundo a pesquisa do Núcleo de Economia Regional e Políticas Públicas da UEPG. Conforme o estudo, o aumento foi de 1,63% no mês passado.


A Cesta passou a custar R$ 765,03 na primeira semana do mês de março. Dos 33 produtos pesquisados, 21 subiram, 8 caíram e 4 permaneceram constantes.


O item que mais aumentou foi o tomate com 56,60% e o de maior queda foi a batata com 36,69%. De acordo com a pesquisa, uma família que recebe apenas um salário mínimo gasta cerca de 63% da renda com a cesta básica.


Atualmente o salário mínimo custa R$1.212 e a cesta básica R$ 765,03. Dos grupos que compõem a cesta, o que apresentou maior aumento foi o Hortifrutigranjeiro com 8,96%.


Desse grupo, segundo a pesquisa, o tomate teve alta de 56,60%, e a batata teve diminuição de 36,69%. A Alimentação teve 2% de aumento, com alta de 8,63% no preço do macarrão e baixa de 1,62% no arroz.


O grupo de higiene teve aumento de 2,25%, puxado pelo creme dental que registrou alta de 7,58%. Desse grupo, o preço do xampu diminuiu 0,88%.


A limpeza também teve alta de 2,80% em fevereiro, com um aumento de 15,32% no preço da esponja e queda de 1,43% no desinfetante.


O único grupo que teve queda de preços foi o de carnes. Segundo a pesquisa, a diminuição foi de 2,80%. O preço da carne bovina diminuiu 5,21%, já a carne de frango aumentou 3,96%.


De março do ano passado até março deste ano, a cesta teve um aumento de R$ 101,36. O número representa alta de 15% em um ano. Na primeira semana de março de 2021, a soma dos produtos custava R$ 663,67 em Ponta Grossa.


A pesquisa da cesta básica em Ponta Grossa caracteriza o consumo básico de alimentação, higiene e limpeza de famílias com 3 membros em média, com renda de 1 a 5 salários mínimos e moradores do município.


Ouça: