• Thailan Jaros

Com risco de desabastecimento no país, Paraná restringe uso de testes da Covid-19

Teste rápido de antígeno positivo deve ser considerado critério para o diagnóstico da Covid-19 até regularização da disponibilidade dos testes de RT-PCR.

Foto: Agência Brasil

Uma deliberação publicada na última quarta-feira (19) prevê a restrição do uso de testes para a Covid-19 em todo o Paraná. O documento, a que a CBN Ponta Grossa teve acesso, foi publicado em conjunto pela Secretaria Estadual de Saúde e o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems-PR).


A decisão considera o "aumento exponencial de casos suspeitos" da doença nas últimas duas semanas no Paraná, a circulação comunitária da variante Ômicron em território nacional e o "iminente desabastecimento de insumos necessários para a realização dos testes de RT-PCR no Brasil.


O documento ainda leva em conta que a maioria dos casos de infecção pela variante Ômicron tem sintomas leves.


A medida prevê que o RT-PCR, conhecido como padrão ouro, seja priorizado para pacientes que necessitem de hospitalização ou que "evoluam a óbito por Síndrome

Respiratória Aguda Grave (SRAG)".


Também deve ser usado em pessoas com sintomas respiratórios dos grupos de risco, como idosos, imunodeficientes e grávidas.


Além de casos em que haja surtos da Covid-19, com pelo menos três casos ou mortes em uma comunidade fechada, como as instituições de longa permanência para idosos, população privada de liberdade e hospitais.


O documento também prevê a restrição de apenas cinco testes RT-PCR por semana nas Unidades Sentinela para Viroses Respiratórias.


A deliberação definiu que o teste rápido de antígeno (TR-Ag) seja utilizado nos demais casos. O documento ressalta que o antígeno positivo deve ser considerado critério suficiente para o diagnóstico da Covid-19 até que seja regularizada a disponibilidade dos testes de RT-PCR.


De acordo com a decisão, o antígeno pode ser usado em pacientes com necessidade de internamento, para orientar o manejo de leitos durante o aguardo do resultado do teste padrão ouro.


Em casos de necessidade de definição clínica, como a decisão de isolamento ou retirada de isolamento, ou consideração de caso suspeito para outros vírus e se o resultado do RT-PCR demorar, dois testes rápidos, com intervalo de pelo menos 24 horas, serão considerados como critério suficiente para afastar o diagnóstico da doença.


O antígeno deve ser utilizado, ainda, em casos de mortes antes do resultado do RT-PCR para orientar os sepultamentos. A medida vale até que o Ministério da Saúde reabasteça os estoques com insumos necessários para a realização dos testes de RT-PCR no Paraná.


A CBN entrou em contato com a Secretaria Estadual de Saúde e aguarda posicionamento.