top of page
  • Ricardo Silveira

Feira de Profissões reúne cerca de 10 mil pessoas na UEPG

O evento proporcionou a oportunidade de conhecer a Universidade e seus cursos

(Foto: Assessoria).

Um olhar para o futuro. Foi assim que a primeira Feira de Profissões da Universidade Estadual de Ponta Grossa aconteceu, na última sexta-feira (01). Com ciência, pesquisa, ensino e extensão, a instituição reuniu cerca de 10 mil pessoas no Campus Uvaranas. Voltado a alunos do Ensino Fundamental e Médio, o evento proporcionou a oportunidade de conhecer a Universidade e seus cursos.


Assim que as portas do Ginásio de Esportes do Bloco G se abriram, alunos e professores da região iniciaram o passeio pelos estandes. Bastava se aproximar, que o convite para conhecer melhor a graduação e os projetos do curso acontecia. A paixão com que cada acadêmico explicava as características do curso chamou a atenção de Marco Aurélio Praxedes, do curso Engenharia de Alimentos. A experiência do professor foi como pai de uma menina de 5 anos. “Fomos na Feira na hora do almoço e ela quis voltar de qualquer forma. Voltamos por volta das 19h30 e ela não queria ir embora de jeito algum, nós fomos um dos últimos a sair, porque ela queria ficar lá”, conta.

Para o professor, cada estande oferecia uma experiência única. “Fomos tratados com muito carinho, os alunos nos abordavam com brilho no olho. Foi algo espetacular, um grande exemplo de cooperação entre órgãos, professores e alunos, todos se unindo para fazer dar certo”, descreve.


Aquele brilho no olho e o sorriso no rosto de cada estudante dos 39 cursos da UEPG também rendeu elogios de Thiago Felipe Schier, professor do Colégio Dynâmico. “O evento foi uma oportunidade ímpar para os estudantes dos Campos Gerais. A exposição dos diferentes tipos de profissões e a interação com alunos e com trabalhadores do mercado proporcionaram uma experiência enriquecedora”, destaca.


Para Thiago, foi inspirador ver a dedicação e o comprometimento de todos os envolvidos em compartilhar seus conhecimentos e experiências. “Tenho certeza de que essa relação entre a Universidade e a comunidade só tende a crescer e a melhorar com o tempo, fortalecendo ainda mais a formação acadêmica dos nossos. Mais uma vez, meu sincero agradecimento a todos os envolvidos nessa feira de profissões extraordinária”, completa.


Os estudantes das escolas, públicas e privadas, puderam participar de diversas atividades: palestras explicativas sobre o Vestibular, Processo Seletivo Seriado (PSS), sistema de cotas e Empresas Juniores; visita ao Museu de Ciências Naturais (MCN) e Biblioteca; apresentações das atléticas; e atividades na cúpula do Observatório Astronômico. “Momentos assim transformam a vida de nossos estudantes. Orgulho em encontrar tantos ex-alunos, hoje acadêmicos da UEPG”, conta Jessica Pucci, professora do Colégio Leandro Manoel da Costa, de Piraí do Sul.


No Ginásio, a estrutura foi pensada para valorizar os cursos da graduação. O local tinha dois palcos, um na parte interna com apresentações dos acadêmicos e professores, e outro na área externa, com apresentações culturais e área para inscrições do Vestibular. “O evento foi uma oportunidade para a comunidade saber o que é a UEPG, passando pelos 39 cursos, conversando com as pessoas, tendo um espaço de ideias e motivações para conhecer cada uma das profissões”, celebra reitor em exercício, professor Ivo Mottin Demiate. Para ele, a UEPG mostrou o que há de melhor na Feira. “Conseguimos fazer o evento acontecer, em um esforço coletivo, que revelou a união pela Universidade Pública”.


A Feira de Profissões atingiu seus resultados, para chamar a atenção da comunidade da região para mostrar o potencial da Universidade, segundo Ivo. “Todo mundo que veio aqui viu muita coisa boa. A Feira foi um divisor de águas, em um momento de pós-pandemia, em que todos se uniram pela causa, intensivamente. Foi uma retomada, com novas perspectivas”, completa.


Quem passou, amou


Logo na chegada, o aluno recebia um passaporte, que era carimbado a cada estande. Leonardo Melan, do Colégio Estadual Senador Correia, já pensou nas áreas que pretende estudar, depois de terminar o Ensino Médio. “Me interesso pela área de tecnologia e por isso pensava em cursar Engenharia da Computação. Mas o estande que eu mais gostei foi o de Agronomia, pode ser que eu vá para essa área”, conta.


Kamile Emanuelle Manjinski aproveitou para fazer a inscrição para o curso de Odontologia durante o evento. “Há dois anos estou me preparando. Achei a Feira incrível porque só me deu a certeza do que eu quero. Adorei o estande de Odonto!”, conta. Os alunos das escolas também tiveram aconselhamento profissional, com atendimentos da equipe de psicólogos da UEPG. Para quem precisasse, o Ambulatório da UEPG ficou à disposição para atendimentos em saúde.


O evento ainda teve praça de alimentação, com food trucks e Incubadora de Empreendimentos Solidários (Iesol). Para Jayne Thalia, acadêmica do segundo ano de Pedagogia, o evento foi uma ação muito importante para fomentar a entrada do aluno da escola pública no ensino superior. “Acho também que é uma oportunidade das pessoas conhecerem melhor os cursos, por exemplo, descobrir que no meu curso o trabalho não se limita a sala de aula.


Além das atividades, não faltou diversão. Os presentes conheceram pessoalmente pela primeira vez o gato Galileu, o mascote da UEPG pensado para o público infanto-juvenil, que abraçou, recebeu carinho e tirou fotos com os presentes. Junto com ele, Dino, mascote dinossauro dos cursos de Geografia, interagiu com o público. Juliana Teche, do primeiro ano do Bacharelado em Geografia, foi uma das pessoas que usou a fantasia do dinossauro. “Nós trabalhamos com vários temas na Geografia. A ideia de trazer o dinossauro, além de chamar atenção e trazer diversão, é mostrar uma das várias áreas de atuação da profissão”, conta.


Com tantas atividades, não faltou animação dos visitantes. “Vendo meus alunos circulando pelos estandes, pude perceber que estão animados com a ideia de estar na Universidade. Em todos os estandes, estão sendo feitas atividades práticas que conquistam os alunos”, ressalta a professora da rede estadual, Cibele Mayer.


Da instituição


Quando Jéssica Mainardes, acadêmica do sexto ano de Medicina, estava no Ensino Médio, passou por uma feira de profissões de outra instituição. “No estande de Medicina, tinha o famoso boneco para aprender massagem cardíaca. Quase nove anos depois, estou na Feira de Profissões da UEPG, no meu último ano por aqui”, salienta. No estande, a mesma atividade aconteceu: bonecos para massagem cardíaca e alunos explicando procedimentos de sutura em uma superfície de teste. “Faltando poucos dias para me formar, cansada, hoje parei para agradecer: eu estou exatamente onde, há 9 anos, queria estar. Parabéns UEPG, pelo evento de hoje. Extremamente organizado e bem estruturado”, descreve.


Felipe Ferreira não deixou de reparar na curiosidade com que cada pessoa chegava no estande. “Eles gostaram muito, nos perguntaram sobre como funciona o curso e, dentro da Medicina, pude mostrar as práticas, tirar dúvidas e contar da estrutura do curso”. O acadêmico é de São Paulo e veio para Ponta Grossa cursar Medicina. “É muito gratificante ser aluno da UEPG, foi uma mudança de vida pra mim. A Universidade me acolheu e posso aproveitar o máximo o que o curso tem a oferecer”.


No estande do curso de Química Tecnológica, alunos e professores apresentaram oportunidades de atuação em indústria, com amostras substâncias no desenvolvimento de tintas e fármacos. “Os alunos estava muito participativos, bem interessados, e interagiram com a gente para ver se querem vir para o curso”, conta a professora do curso, Cássia Magalhães. Para ela, quem tem afinidade com ciências exatas, o curso de Química UEPG cabe na medida certa. “Ele nos permite aprender diversas funcionalidades e abre um leque de oportunidades muito grandes para o universo profissional”.


No Observatório Astrômico, aconteceu a palestra ‘Cosmologia para curiosos: Explorando as maravilhas do Espaço e do Tempo, com Thiago Gilberto do Prado. Os presentes puderam observação do céu noturno com telescópios. “É muito importante iniciativas como essa, para chamar pesquisadores”, destaca o palestrante. Para ele, mostrar a estrutura da Universidade faz com que a ciência continue em evolução. “Formar alunos faz com que novas descobertas sejam uma realidade futura, então foi muito legal mostrar para a comunidade o que uma instituição pública, gratuita e de qualidade, como a UEPG, realiza”, completa.

Perspectivas


Para que a Feira de Profissões ocorresse de forma organizada, alunos da graduação atuaram como monitores, no controle de entrada, na ajuda de informações aos presentes e no tour pela UEPG. O passeio, por caminha ou de ônibus, apresentava os blocos e órgãos que ficam no Campus Uvaranas, com direito a paradas no MCN, Biblioteca e Agência de Inovação e Propriedade Intelectual (Agipi). Carla Eloisa Camargo, do curso de Turismo, atuou como monitora e conta que o evento superou suas expectativas. “Pude perceber um grande interesse da parte do grupo que monitorei, apesar da vergonha, eles se esforçaram para serem participativos e se mostraram super animados para entrar na Universidade”, descreve.


Segundo ela, a maioria já estava com um curso em mente e fez perguntas sobre os blocos dos cursos, as atléticas e como funciona a UEPG. “Eu, felizmente, pude auxiliá-los a entender melhor. Se eu ou meus colegas tivessem a mesma oportunidade que eles, nosso medo seria menor. Eles foram embora super felizes e motivados comentando que no ano que vem iremos nos encontrar na Universidade”, conta.


“Foi um ambiente extremamente enriquecedor, tanto para nós acadêmicos quanto para a comunidade de fora, conseguir ver a dimensão da instituição de ensino que é a UEPG”, explica Bianca Henneberg Reis, acadêmica de Educação Física. Ela atuou como monitora no período da manhã, com alunos do terceiro ano do ensino médio do Colégio Estadual Epaminondas Novaes Ribas. “Foi muito legal mostrar a grandeza de uma graduação e explicar como funciona, eles se interessaram por diversos cursos e muitos saíram da Feira com a inscrição do Vestibular já feita. Como acadêmica, foi uma motivação muito grande e um dia muito feliz”.


Emanuelle Broniski Viximiczen gostou tanto de ser monitora que atuou para além do que era planejado. Depois de auxiliar alunos de São João do Triunfo, continuou de forma voluntária no ônibus que os levava para apresentar outros locais da cidade. “Achei super interessante e importante essa iniciativa da UEPG, visto a quantidade de escolas de outras cidades que visitaram. Foi tudo novo para eles e acharam um máximo”, finaliza.


Realização


A Feira de Profissões é realização da Reitoria da UEPG, por meio da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), Coordenadoria de Comunicação Social (Ccom); Cerimonial; e alunos e professores da graduação.

Comments


bottom of page