• Redação

Gilson Aguiar: Brasil não está acima de tudo, os brasileiros e a democracia sim


Há a retórica de se defender o povo. Mas o povo se expressa pela democracia, pela liberdade de expressão. A representatividade de todos os segmentos que compõe a sociedade e a manutenção de uma ordem com regras estabelecidas para o contrato social e de cada uma de suas partes seja mantida. Quem tenta romper esta ordem não está ao lado dos brasileiros, mas quer sequestrar a liberdade que é um direito de todos. Não por acaso o radicalismo emerge. Se impõe através da exaltação ao ato extremo, ao sentimentalismo barato, a lógica superficial, manipulando a limitação que a grande maioria da sociedade brasileira tem de entender os seus próprios problemas. As “igrejas” e a “política rasa” com seus falsos profetas estão cheias de exemplos. Até “Deus” se vulgariza na boca do radical alucinado.

Em um estado democrático de direito é fundamental que se proteja a autonomia dos três poderes - Legislativo, Executivo e Judiciário - e que se entenda o papel que eles cumprem para o equilíbrio de forças e a prevalência do diálogo dentro de regras claras e protegidas, principalmente a Constituição. O Supremo Tribunal Federal (STF) deve ser o guardião destas regras.

O que estamos assistindo é a elevação do radicalismo. A exaltação da ideia tola é a fala do golpista. É o derrotado político no ambiente democrático querendo romper as normas para poder vencer um jogo no qual não tem a menor chance de sucesso. Não podemos abrir mão da liberdade.

Ser livre e ter o direito de expressão é o que nos fez e faz exigir a transparência das instituições públicas. Não foi fácil lutar para que não ocorressem os intervencionismos para beneficiar uma casta de líderes políticos. Eles ainda tem poder. A luta para o seu enfraquecimento é uma vigília constante.  Sem a democracia, a orla de abusadores aliada ao pode navegar a vontade e eliminar seus desafetos. 

Um país que deseja superar suas dificuldades e atender a maioria da população em toda a sua complexidade não pode compactuar com o mando de um homem só. São os debates, a liberdade de expressão e a representatividade democrática que pode gerar soluções. Um país é a construção coletiva e não o mando e subordinação a um único personagem. 

Quando um palhaço governa, a nação se transforma em circo e tudo o que se aplaude é apenas espetáculo. Neste país, com tenda e picadeiro, ninguém pode ser levado a sério.


Gilson Aguiar é âncora e comentarista da CBN Maringá


Imagem: Pixabay/domínio público




Visite

R. XV de Novembro, 591 

Centro 

- Ponta Grossa

- Paraná

- Brasil 

Ligue

Fone: (42) 3028-1300

Whats: (42) 99994-1011 

Email

jornalismo@cbnpg.com.br

Contato Comercial

opec@cbnpg.com.br