• Redação

Paraná tem menor taxa de crescimento da Covid-19 do Brasil

No período, variação foi de 27,6% no número de registros confirmados da doença, enquanto a média nacional bateu em 49,5%.

O Paraná foi o Estado que apresentou a menor taxa de crescimento de casos de Covid-19 entre 11 e 18 de maio. No período, a variação foi de 27,6% no número de registros confirmados da doença, enquanto a média nacional bateu em 49,5%. No mesmo período, a taxa de crescimento do número de óbitos causados pelo novo coronavírus no Paraná também foi a menor do Brasil: 14,4%.


Os dados fazem parte de um estudo coordenado pelo médico cardiologista José Rocha Faria, que é professor do Centro de Epidemiologia e Pesquisa Clínica (EPICENTER) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). A análise levou em conta os dados fornecidos pelo Ministério da Saúde.


De acordo com Faria, o Grupo de Epidemiologia da PUC-PR está analisando os números de infecção e mortes nos estados brasileiros para tentar identificar os fatores que determinam o aumento dos casos. “Estamos olhando variáveis socioeconômicas, obediência às medidas de distanciamento social. Por enquanto só temos os números”, afirma o médico.


Quanto ao número de óbitos, ele explica que as taxas de crescimento estão diretamente ligadas à qualidade da rede hospitalar e disponibilidade de leitos. “Mas tudo isso são hipóteses que estamos analisando”, enfatiza.


ESTRUTURA – No Paraná, estão disponíveis 564 leitos exclusivos de UTI adulto para tratamento de casos de Covid-19 e a taxa de ocupação destes leitos é de 37%. A estrutura hospitalar segue sendo ampliada, para garantir atendimento à população. Além disso, o Estado deu início nesta semana a um programa de testagem em massa da população. A previsão é 5,6 mil testes por dia no método RT-PCR quando a operação estiver completa.


Os dados do Ministério da Saúde mostram ainda que o número de casos de infectados no Paraná pelo novo coronavírus por 100 mil habitantes é o menor do Brasil até 18 de maio. O Paraná tem 20,6 infectados pelo vírus a cada 100 mil habitantes. Mato Grosso do Sul, que ocupa o segundo lugar na lista, tem 22,1 infectados para cada 100 mil habitantes.


Segundo Faria, a análise de números absolutos leva a grandes distorções. “Num país tão grande como o Brasil, é essencial fazer a conversão do número de casos proporcionalmente à população e isso deve ser feito no menor território possível para dar um retrato mais fiel da situação”, afirma.


ESTRATÉGIA – Faria explica que a proporcionalidade é essencial para traçar as estratégias de enfrentamento. “É por isso que os especialistas insistem em dizer que é tão difícil traçar um cenário único no Brasil. Cada região, estado, tem condições bem distintas. Os números de infectados por 100 mil habitantes do Amazonas, por exemplo, colocam o estado numa condição até pior que a Itália no pico da pandemia. Mas no Paraná o cenário já é outro. É preciso fazer análises distintas”, explica.


MORTALIDADE – Os números o Ministério da Saúde também informam o número de mortos por coronavírus a cada 100 mil habitantes. O Paraná fica entre os cinco estados que menos registraram óbitos decorrentes da Covid-19 até 18 de maio.


A média no estado é de 1,1. Os outros estados com menor índice de óbitos são Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás, com taxa variando entre 0,6 e 1. Amazonas, Ceará e Pernambuco têm os maiores índices de mortalidade – 34,6; 19,1 e 17,2, respectivamente.


Clique aqui e acompanhe o gráfico com a evolução da doença no Brasil.


Informações Agência Estadual de Notícias

Imagem: AEN/Divulgação

Visite

R. XV de Novembro, 591 

Centro 

Ponta Grossa - PR

Ligue

Fone: 42 - 3028 1300

Whats: 42 9 9994 1011