top of page
  • CBN Ponta Grossa

Você já ouviu falar na síndrome do manguito ou do impacto?; saiba como tratar

A Ergonomista do Sesi Paraná, Lidiane Mara Stefani, participou do programa nesta terça-feira (20), e falou sobre o síndrome do manguito rotador

Foto: Adobe Stock

Ouça a entrevista aqui:


Você sabia que a hérnia de disco foi a maior causa de afastamento do trabalho no Brasil em 2023, de acordo com os dados do Ministério da Previdência Social. No Paraná, no entanto, a maior parte dos benefícios cedidos por incapacidade temporária (auxílio-doença) foi devido à síndrome do manguito rotador – 3.720.

 

De acordo com Lidiane Mara Stefani, ergonomista do Sesi Paraná, a síndrome do manguito rotador, conhecida também como síndrome do impacto, é uma lesão que afeta as estruturas do ombro. “As pessoas que são acometidas pela síndrome normalmente exercem atividades com sobrecarga repetitiva ou levantamento de peso excessivo acima do nível do ombro por longos períodos, podendo levar ao desenvolvimento dessa lesão causando danos parciais ou totais nessas estruturas do ombro”, explica.

 

Ela ressalta que tão importante quanto conhecer as causas dessa síndrome, é buscar orientação quanto às medidas de prevenção. “Realizar atividades físicas de forma adequada, que fortaleçam os músculos do ombro, assim como melhorar a flexibilidade da musculatura aliada a uma boa postura durante a atividade laboral são algumas delas”, diz, listando ainda estratégias que podem ajudar a prevenir as lesões durante as atividades laborais:

 

  • Manter uma boa postura durante o trabalho;

  • Evitar movimentos repetitivos de membros superiores e/ou fazer pausas e alongamentos periodicamente durante a jornada de trabalho;

  • Usar cadeiras que dão apoio às costas e apoiar os antebraços durante o uso do computador;

  • Usar fones de ouvido para chamadas telefônicas, evitando “segurar” o telefone com o ombro;

  • Regular a altura dos monitores para que não fiquem muito baixo ou muito alto da linha dos olhos;

  • Evitar manter os braços suspensos acima da linha dos ombros durante as atividades;

  • Evitar realizar transporte manual de cargas com os ombros elevados mais que 90° de flexão;

  • Substituir ferramentas manuais pesadas ou que produzem vibração excessiva.

 

Ter informações sobre prevenção dessas doenças no trabalho é crucial para garantir a saúde e o bem-estar dos trabalhadores, melhorar a eficiência operacional, reduzir custos para empresa e trabalhador e promover ambientes de trabalho seguros.

 

E como algumas das causas dessas lesões é relacionada a má postura, trabalhos repetitivos e transporte de cargas, os princípios da ergonomia são fundamentais para minimizar o problema e até mesmo evitá-lo. Isso inclui a adoção de novos hábitos posturais, aquisição de móveis e equipamentos de trabalho adequados e posicionados da maneira correta nos ambientes.

 

“Por meio da elaboração de Análise Ergonômica do Trabalho (AET) ou Avaliação Ergonômica Preliminar (AEP), conseguimos identificar os riscos ergonômicos que o trabalhador estará exposto e atuarmos preventivamente na adoção de melhorias dos postos de trabalho, posturas adotadas e método de trabalho, antes que possam aparecer as primeiras queixas no trabalhador”, garante Lidiane.

 

Técnicos do Sesi Paraná realizam tanto a análise quanto a avaliação, propondo ainda ações preventivas. Além disso, indústrias que contratarem o PGR ou PGR + PCMSO com o Sesi, têm o valor investido revertido para compra de programas legais, como a AET – é o Retorno Garantido Sesi – Cashback de Programas Legais.


Das Assessorias

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page