top of page
  • CBN Ponta Grossa

UEPG entrega restauro do prédio histórico do Museu Campos Gerais

Nessa terça-feira (06), a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) entrega à comunidade paranaense o restauro do prédio histórico do Museu Campos Gerais (MCG)

Foto: Divulgação

Da Praça Marechal Floriano Peixoto, no Centro de Ponta Grossa, vê-se um movimento constante de veículos e pessoas. O prédio na esquina entre as ruas Engenheiro Schamber e Marechal Deodoro se ergue majestoso. No corre-corre do dia a dia, um brilho chama a atenção através da janela e revela um mágico retorno no tempo: lustres dão um tom festivo ao antigo prédio do Fórum de Ponta Grossa, que volta à vida após um trabalho cuidadoso. Nessa terça-feira (06), a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) entrega à comunidade paranaense o restauro do prédio histórico do Museu Campos Gerais (MCG), em solenidade na antiga Sala do Júri.


Há quase 100 anos, a fachada imponente em estilo eclético se destaca no coração da cidade, onde o prédio ocupa indelével sua posição em uma esquina movimentada. Na memória afetiva de tantos ponta-grossenses, o edifício ficou registrado como espaço de cultura e de história. Talvez por isso os olhares que entram no Museu refletem a mágica dos lustres, a grandeza da escadaria, o esplendor dos ornamentos folhados a ouro no teto, a beleza dos ladrilhos e dos pisos de madeira, e também o brilho das memórias.


“O restauro da sede histórica do Museu Campo-s Gerais, edifício-símbolo do acesso à Justiça, memorial da Universidade e da nossa cidade, materializa a importância da Universidade, da história e da cultura da nossa região”. Idealizador do restauro desde quando estava à frente da Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Culturais, o reitor Miguel Sanches Neto lembra que o prédio integra a trajetória da instituição e do município. “Temos a cidade no nome da UEPG e mantemos este vínculo vivo por meio de muitos projetos como este”.


A prefeita de Ponta Grossa, Elisabeth Schmidt, avalia que o “Museu Campos Gerais não é apenas um local de preservação de nossa história, mas também um espaço de educação e cultura para as futuras gerações. É um lugar onde podemos aprender sobre nosso passado, compreender nosso presente e vislumbrar nosso futuro”. Para ela, hoje, mais do que nunca, ganha importância a preservação do patrimônio cultural. “É através de iniciativas como esta que garantimos que as próximas gerações possam apreciar e aprender com a riqueza de nossa história”. 



Cerimônias e histórias


Era 04 de janeiro de 1928. Representantes do Poder Judiciário e personalidades ponta-



grossenses participavam de uma grande festa de inauguração do Fórum da Comarca de Ponta Grossa. Antes, o órgão judiciário funcionava na Rua XV de Novembro, como conta o pesquisador Peter Rudi Lapezak, autor do livro “Centenário da Comarca de Ponta Grossa 1880-1980”. “Na época, o prédio era muito maior do que a necessidade da Comarca”, lembra. Por isso, outras atividades também aconteceram no local, como Coletoria Estadual, a Delegacia de Polícia, tabelionatos, Cartórios do Crime e de Registro Civil e o atendimento jurídico gratuito ofertado pelo curso de Direito da UEPG.


Passam 55 anos e o prédio ganha nova função, com a cerimônia de abertura do Museu Campos Gerais, em 28 de março de 1983. O Fórum cresceu e precisou ser transferido para nova sede, em Oficinas, e o espaço histórico foi cedido à UEPG. Na noite festiva, autoridades e imprensa comemoraram as centenas de pessoas que visitariam, nos próximos vinte anos, o acervo histórico e cultural do MCG, e ficariam maravilhadas com a grandiosa escadaria de entrada do edifício. O imóvel foi tombado pelo Patrimônio Cultural do Paraná em 03 de novembro de 1990.


Por conta de danos estruturais, o Museu foi interditado em 2003 e transferido para o “antigo Banestado”, na mesma quadra, na confluência das ruas Engenheiro Schamber e XV de Novembro. O prédio aguardou quatro décadas pela próxima solenidade: na manhã da terça-feira, dia 6 de fevereiro de 2024, os convidados, autoridades civis e universitárias, reuniram-se para a entrega da obra de restauro que dará início a uma nova fase na história do quase centenário edifício.


A licitação para restauro do edifício foi realizada pela primeira vez em 2008, época em que o atual reitor, Miguel Sanches Neto, ocupava o cargo de Pró-reitor de Extensão e Assuntos Culturais. “Durante uma década e meia, trabalhei para que esse prédio pudesse ser restaurado e receber um anexo que fosse moderno e ao mesmo tempo desse infraestrutura para o prédio histórico”, relembrou. “Para mim, esse é aquele momento em que o sonho inicial se transforma em uma coisa concreta, que é essa obra que a UEPG entrega para a comunidade”.


Em 2010, a UEPG captou R$1 mi via Lei Rouanet, valor utilizado para reforma nos pontos mais emergenciais da estrutura: forro, vigamento e telhado, bem como a pintura externa e interna do pavimento térreo. Na solenidade de entrega do restauro, o Presidente do Conselho Estadual de Educação e Reitor da Universidade Estadual de Ponta Grossa por três gestões, professor João Carlos Gomes, rememorou uma conversa que teve com o professor Miguel Sanches Neto há 16 anos. “Hoje, entrando aqui, vi o anexo ao lado e me lembrei de quando o Miguel me chamou e disse: vamos recuperar este prédio, reitor, com um anexo moderno de vidro e um café no último piso”. Na época, o restauro não foi possível, mas foram realizados reparos que mantiveram a estrutura até 2021.

A obra, que totaliza R$ 10,5 milhões, teve início em 07 de fevereiro de 2022. Este valor veio em 2019, quando a Universidade foi contemplada com R$ 10,5 milhões do Fundo Nacional de Defesa de Direitos Difusos, do Ministério da Justiça e Segurança Pública. O edital em questão destina recursos para restauração e manutenção de atividades culturais em prédios de importância histórica para o Judiciário, utilizando verbas procedentes das multas e condenações judiciais e danos ao consumidor, entre outros. “Este é o maior investimento em restauração de um prédio da história de Ponta Grossa”, comemora o reitor. Sergio Fernando Protz, superintendente executivo da Caixa Econômica Federal, órgão que fez o gerenciamento e fiscalização do uso dos recursos na obra de restauro, destacou o papel social da participação da instituição neste legado parabenizou a UEPG pela iniciativa.


“Celebremos esta história e a promessa de futuro deste momento”, exaltou o vice-reitor da UEPG, professor Ivo Mottin Demiate. “1928, 1983, 2003 e, finalmente, 2024, são anos emblemáticos para a história da interiorização do Poder Judiciário, para a UEPG e para a cultura ponta-grossense, na medida em que este é um prédio-símbolo da cultura, memória e identidade local”.


O professor e juiz federal Antônio César Bochenek, que apresentou o projeto ao Ministério, reforçou a importância dos valores investidos no restauro e parabenizou a todos que se esforçaram para tornar realidade o sonho de reabrir o espaço à comunidade. “O prédio histórico, ora reinaugurado como museu dos Campos Gerais, representa a memória viva do Judiciário na cidade de Ponta Grossa. Lá, por muitos anos, foram realizados os trabalhos dos operadores do Direito”, destaca. “A simbologia da presença de um dos poderes do Estado também faz parte da construção das memórias princesinas”.



Abertura ao público


“Eu não tenho dúvidas que a volta para o seu lar oficial vai vai consolidar o Museu Campos Gerais como um dos grandes museus do estado do Paraná”, comemora o diretor do MCG, professor Niltonci Batista Chaves. Além de simbolizar um salto de infraestrutura e acessibilidade, é um retorno ao espaço repleto de memórias afetivas e simbolismo político. “Ocupar o prédio histórico nos dá condição de continuar trabalhando com a perspectiva do museu como um espaço de produção de ciência, de conhecimento científico, de tecnologia e de inovação”.


Para o reitor, é o momento da realização de sonhos, mas também de elaboração de novos projetos. “Por meio deste novo prédio, muitas ações serão desenvolvidas nos próximos anos, a começar por uma exposição do artista plástico Poty Lazzarotto”, antecipa. A abertura do MCG ao público, com uma exposição itinerante do Museu Oscar Niemeyer que homenageia os 100 anos de Poty, está prevista para abril de 2024. “É muito simbólico que na sequência, depois de inaugurado o prédio, a primeira exposição seja desse importante artista plástico paranaense”, avalia Sanches.



Durante a solenidade de entrega do restauro, o representante da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) no evento, Renê Wagner Ramos, destacou a relevância do restauro do Museu, que para ele é uma referência no Paraná, como parte da rede universitária, única no Brasil. Ele também exaltou a exposição inédita de Poty Lazzarotto, acrescentando que, depois de lançada no MCG, a exposição segue para as demais Universidades paranaenses. “Vocês têm uma joia na mão, joia esta que será importante em 2024 e 2025 no contexto das parcerias que temos com a Universidade”.


Em paralelo, a equipe do Museu, em conjunto com profissionais museólogos contratados, elabora um grande projeto museológico, com o planejamento dos espaços, aquisição de mobiliário e equipamentos e transferência do acervo para composição de exposições permanentes. Segundo o diretor do MCG, este processo deve ser concluído no segundo semestre de 2024. Até então, estão planejadas pelo menos três exposições itinerantes, que devem trazer novamente visitantes ao prédio histórico.



Importância para a história local


Na década de 1920, Ponta Grossa estava em pleno processo de urbanização. Como as cidades coloniais portuguesas, o centro da cidade se forma no entorno de uma praça – no caso, a Praça Marechal Floriano Peixoto. Como explica a professora e historiadora Elizabeth Johansen, a praça reunia as representações de diferentes poderes. Em uma de suas faces, a Igreja Católica, com a Catedral; em outra, o poder militar representado pelo Quartel General; a elite campeira que frequentava o Clube Pontagrossense (hoje Clube Ponta Lagoa); e a representação do poder judiciário, com o antigo Fórum. “A presença daquele imóvel naquele local é exatamente essa representatividade da importância do Poder da Justiça da aplicação das leis”.


A cidade de Ponta Grossa, emancipada de Castro, crescia rapidamente. “Ponta Grossa já era uma urbe, uma cidade, com o estabelecimento de duas linhas ferroviárias importantes que ligavam o litoral do Paraná com o interior do estado e que ligavam o estado de São Paulo com o estado do Rio Grande do Sul. Ponta Grossa era um entroncamento de caminhos”, situa a professora, que foi uma das fundadoras da Associação de Preservação do Patrimônio Cultural e Natural (Appac). Nesse ritmo de desenvolvimento urbano, se tornava necessário ter mais do que a figura do juiz de paz (que já existia desde meados do século XIX), mas também Varas de Justiça e o estabelecimento de um Fórum. “É nesse contexto que a construção do prédio do antigo Fórum se efetiva”.


São várias camadas de representatividade para a história local. A arquitetura eclética é representativa de seu tempo, mas também dos diferentes grupos que formaram a população da cidade, como os imigrantes europeus que trabalhavam na construção civil e marcenaria e materializaram seu trabalho e sua cultura no imóvel. Com a transferência do prédio para a Universidade, nos anos 1980, acrescenta-se mais um nível: a função cultural de sediar um museu universitário.


Para a pequena Elizabeth, é aí que o edifício entra na sua memória afetiva. “Eu lembro, em 1983, quando foi inaugurado o Museu e a escola me levou para conhecer”. Foi de tirar o fôlego, nesta e em todas as outras vezes em que ela mirou aquelas grandiosas escadarias. “Ele foi impactante para mim por sua presença arquitetônica, pela sua imponência, pela beleza do imóvel. Desde então, eu circulei durante muitos anos, visitando diferentes exposições”, conta a professora, que também foi diretora do MCG por um período. “Nas minhas últimas visitas, eu estava escrevendo minha dissertação de mestrado e passei tardes e mais tardes fazendo pesquisa na coleção do jornal Diário dos Campos, numa das salas daquele imóvel”.  Por isso, voltar a visitar o prédio restaurado foi emocionante.


“Essa é a minha história – e olha o quanto minha história se vincula à história deste imóvel. Imagine quantos ponta-grossenses se identificam, se reconhecem, porque aquele prédio constitui sua memória, seu ser ponta-grossense, sua identidade espacial”, provoca a historiadora. “É um imóvel belíssimo, arquitetonicamente falando, é um imóvel riquíssimo, histórica e culturalmente falando, e é um presente da UEPG para comemorar os 200 anos de Ponta Grossa”.


Entregar o sonho da Universidade é, em parte, responsabilidade da professora Andrea Tedesco, pró-reitora de Planejamento da UEPG. “Ver esse sonho, que foi compartilhado por muitos, sendo materializado e entregue é motivo de muita alegria e orgulho de todos que trabalharam para que isso fosse possível”, comemora. “Estamos entregando um novo espaço acadêmico, de pesquisa e extensão, de arte e cultura mas, principalmente, um espaço para a população de Ponta Grossa, que poderá reavivar suas memórias do prédio e construir novas memórias”.



Cuidado e técnica


A obra constituiu um desafio para as equipes da Pró-reitoria de Planejamento (Proplan) e da Prefeitura do Campus (Precam) da UEPG. As fiscais da obra, a arquiteta e urbanista Emanuele de Almeida, diretora de Planejamento Físico da Proplan, e Eloise Langaro, diretora de Obras e Fiscalização da Precam, explicam que o restauro do Museu foi um processo repleto de singularidades e diferente de outras obras executadas pela Universidade. “Por estarmos em uma instituição de ensino, pudemos compartilhar com nossos alunos muitas das experiências vividas na obra”, exaltam. “Trata-se de uma obra, de um prédio, mas também de um grande laboratório de ensino e pudemos aproveitar essa oportunidade de crescimento profissional coletivo”.


Para o prefeito do Campus, Elias Pereira, ficou marcado o cuidado necessário para garantir a integridade física e estética das peças e instalações de uma construção de quase 100 anos. “O desgaste pelos elementos naturais é comum em qualquer tipo de edificação e, portanto, a restauração visou conservar, reparar e proteger esses elementos, permitindo que as gerações presentes e futuras tenham acesso a uma narrativa viva do passado da cidade de Ponta Grossa e região”, diz. “Ao preservar e revitalizar a sede histórica do MCG, estamos garantindo que as futuras gerações tenham a oportunidade de se conectar com suas raízes, compreender sua herança cultural e apreciar a diversidade que moldou a sociedade ao longo dos tempos em nossa cidade. A conservação e restauro do MCG não era apenas uma questão de cuidado com um prédio antigo, mas um compromisso contínuo com a preservação da riqueza e da diversidade de nossa cidade”.


A preocupação se manifestou no cuidado com que cada uma das pessoas envolvidas no restauro realizou seu trabalho. Além de preservar e recuperar os itens originais, houve um esforço por atualizar as instalações elétricas e hidráulicas da edificação, para trazer segurança para funcionários, visitantes e aos próprios acervos do Museu. “Infelizmente não são poucos os casos de museus e prédios históricos foram degradados e até mesmo acometidos por incêndios devido à falta de manutenção, sendo a segurança um dos maiores objetivos desta restauração. Destaca-se ainda que a modernização dos espaços expositivos, sistemas de iluminação, condicionamento de ar, sistemas de prevenção contra incêndio e acessibilidade proporcionam um ambiente mais acolhedor e acessível, podendo assim atrair um público mais amplo”, explica o prefeito do Campus.


Foram duas frentes diferentes de trabalho, conta a arquiteta responsável, Kathleen Coelho de Andrade Biassio: o restauro do prédio histórico e a construção do novo anexo. Ela conta que parecia, no início, que não haveria grandes desafios na construção do edifício moderno, mas que houveram surpresas ao longo do caminho. “Impossível imaginar que o terreno destinado ao anexo fosse um campo tão rico em artefatos arqueológicos”, evoca. Além de reparar a estrutura, garantir a segurança e deter a ação do tempo, as obras de restauro descobriram memórias.


No restauro das paredes, o trabalho minucioso revelou afrescos e pinturas que não viam a luz do dia há décadas. A escavação arqueológica realizada no terreno descobriu 20.015 peças de metal, vidro, cerâmica e outros materiais, que ajudam a contar a história de Ponta Grossa. “Fragmentos de cerâmicas indígenas, fragmentos da antiga ocupação, moradia ou trabalho do barbeiro/dentista Francisco Barbieri, da construção do Fórum da comarca de Ponta Grossa, da ocupação como Fórum, do intervalo sem uso, com artefatos da chamada arqueologia moderna (objetos das décadas de 40, 50, 60). A arqueologia pode identificar todas estas camadas da história”, relata a arquiteta. “Foi muito importante isso acontecer já no início da obra. É como se o edifício já contasse sua história e falasse: ‘tenha cuidado comigo, sou um Senhor de respeito”.


Esse “senhor de respeito” entrou na equação nos momentos de tomada de decisões. “Muitas foram as reuniões que fizemos para várias das etapas construtivas e que concluímos sem definir ao certo o que seria feito, esperando respostas possíveis dadas pelo edifício. Argamassas, pinturas, janelas didáticas, descidas de águas pluviais, trajetos para as instalações, posição das cisternas, foram algumas das decisões que o edifício nos deu”, lembra Kathleen.


O projeto arquitetônico do prédio de 898,64 m² e dois pavimentos é do engenheiro Ângelo Lopes. A construção ficou a cargo de Paulo Ferreira do Valle, que também construiu outros prédios da cidade, como a Mansão Vila Hilda. Nas fachadas, a arte foi executada por Rodolpho Roedel e pelos irmãos Max e Alberto Wosgrau; enquanto que a carpintaria foi feita por Roberto Amadio. Na entrada, um grande portão de ferro, produzido por Rodolfo Metzentin; e no teto da Sala do Júri, saguão superior e entrada, decorações em relevo feitas por Luiz Collares e Vicente Madalozzo.



Memórias reveladas


Nas “janelas didáticas” espalhadas por todo o prédio, os visitantes poderão observar um pedaço do passado, seja na pintura das paredes, em que a tinta foi descascada com cuidado para revelar o que havia nas camadas inferiores; ou no piso, onde uma janela em vidro permite observar a estrutura de circulação de ar no subsolo; ou ainda na parede em que o reboco foi removido para mostrar a técnica de estuque, utilizada nas paredes do piso superior.


A foto antiga da Sala do Júri mostra que havia arabescos ao longo de toda a parte superior das paredes. Eles são afrescos, pinturas feitas enquanto a argamassa ainda estava úmida. Os pigmentos eram misturados em água e depois aplicados sobre a parede ainda “verde”, ou seja, enquanto a massa não havia secado. Isso faz com que os pigmentos fiquem impregnados na parede. Essa é uma técnica utilizada desde a Antiguidade para pintar murais. A janela didática aberta acima da janela comprova justamente isso: os afrescos ainda estão lá, por baixo de quatro camadas de tinta. Agora, estão preservados pelo trabalho cuidadoso da artista plástica e restauradora Cristina Sá. Outra “janela” mostra uma pintura mais recente, em que tons de dourado e verde permeiam elementos decorativos, margeados por linhas que imitam um revestimento amadeirado.


A construção do antigo Fórum utilizou uma mescla de materiais e técnicas. Não há laje, e o segundo piso é sustentado por vigas de madeira. Por isso, nas paredes do piso superior, que não coincidem com as do piso inferior, era preciso utilizar um material leve. A opção, na época, foi fazer paredes de estuque, que entremeiam tábuas de madeira com uma argamassa de argila e cal.



Detalhes


Um novo edifício, nos fundos do Museu, vai abrigar as áreas administrativas, reserva técnica e laboratório de conservação. Mas, mais importante que isso, permite o acesso ao segundo pavimento do prédio histórico com acessibilidade, utilizando um elevador e uma passarela que interliga os dois prédios. A fachada espelhada da edificação moderna foi projetada para espelhar a fachada histórica, denotando a preservação da memória e a passagem do tempo. “O Museu está onde a cidade surge e onde ela cresce. Nós buscamos manter a história, mas também queremos desenvolvimento”, enfatiza Sanches Neto.



“O edifício restaurado ganhou muitos equipamentos que atualizaram o espaço para receber muitas pessoas, sem deixar de ser que ele realmente sempre foi”, explica a arquiteta. A descrição do que foi feito no prédio deixa claro o cuidado e o carinho com que o espaço foi preparado para voltar a receber a comunidade princesina: “As salas para exposições mantém suas características espaciais através do restauro de pisos de madeira mantendo os esquemas originais; as janelas que apresentam folhas de madeira interna e folhas de vidro externa, acompanhando a fachada, inclusive sua curva; as portas altas de duas folhas, por vezes com bandeiras de madeira que permitem a passagem da luz; o pé direito alto com forro de madeira, também em esquema de colocação original, que possibilitam grande beleza e conforto espacial. Foram restaurados os elementos decorativos que lhe conferem grandiosidade, entre eles os aforros de estuque, os ornamentos de madeira esculpida, as luminárias, as pinturas artísticas e ladrilhos hidráulicos”. Uma obra repleta de detalhes e de personalidade.


Fotos: Aline Jasper, Jéssica Natal, acervo do Museu Campos Gerais

Das Assessorias


Commentaires


bottom of page