• Redação

Câmara arquiva pedido de cassação do vereador Felipe Passos

Suplentes de Passos e dos vereadores Stocco e Josi tiveram que assumir para a votação.

A Câmara de Ponta Grossa arquivou um pedido de cassação do vereador Felipe Passos (PSDB) na sessão desta quarta-feira (02). Dois pedidos foram apresentados ao legislativo.


Passos é investigado pelo Ministério Público do Paraná por práticas de improbidade administrativa.


Um dos pedidos foi feito pelos vereadores Geraldo Stocco (PSB) e Josi do Coletivo (PSOL) e outro pelo ex-prefeito Marcelo Rangel.


Durante a votação, oito parlamentares foram favoráveis ao andamento do processo e nove contrários.


Na semana passada a 2ª Vara da Fazenda Pública de Ponta Grossa determinou o bloqueio de bens, no valor de R$ 50 mil, do vereador Felipe Passos.


O Ministério Público investiga indícios de que o vereador usou de seu cargo público para obter vantagens indevidas. A investigação apura a prática de rachadinha e assédio moral e sexual.


Passos nega as acusações e afirmou, em plenário, que se for condenado vai renunciar ao cargo.


Investigação do Ministério Público


Segundo o Ministério Público, o vereador manteria a prática de exigir dinheiro, bens e pagamentos por parte de sua equipe e de outros servidores do Executivo Municipal em contrapartida a indicações ou nomeações para cargos públicos. A prática é conhecida como ‘rachadinha’.


A ação descreve casos de assédio moral e sexual supostamente praticados pelo parlamentar contra servidores, além de coação para que os funcionários trabalhassem em sua campanha eleitoral ou outras atividades fora do horário de expediente do gabinete, sem as respectivas contraprestações ou registros trabalhistas.


A apuração, de acordo com o MP, teve depoimentos de servidores que trabalharam diretamente com o vereador.


Ouça: